Você e eu

Você e eu

 

Vento que vai

Vento que vem

Quando é suave

Como faz bem

 

Vento traz chuva

Vento traz frio

A chuva cai

Enche o rio

 

O rio corre

Indo ao mar

Meu pensamento voa

Até onde estás

 

O rio fica

Unido ao mar

Você e eu

Unidos a sonhar

Anúncios

Alegre-tristonho

Alegre-tristonho

 

Quem sou

Adivinha

Vou dar uma pista

Nas coisas boas ou más

Estou na lista

 

Eu sou no amor

Uma ilusão

Que reanima

O doce coração

 

Nas coisas da vida

Às vezes sou bom

Em outros casos

Eu não sou não

 

Eu vou até as nuvens

Acaricio a lua a brilhar

Eu contos as estrelas

Danço no fundo do mar

 

Faço você alegre

– às vezes, tristonho –

Sabe quem sou?

Eu sou o sonho!

Coração teimoso

Coração teimoso

 

Sou coração teimoso

Saí a procura do amor

 

Entrei na floresta

Ouvi os cantos dos pássaros

Era uma festa!

Havia amor à beça

– Jamais como o meu

 

De flor em flor

Que suave perfume

Que cor!

Havia amor à beça

– Jamais como o meu

 

Busquei no oceano

O canto das ondas azuis

Parecia um piano

Havia amor à beça

– Jamais como o meu

 

Olhei nos olhos teus

Da cor do céu

Havia amor à beça

– Dei-te o amor meu

 

Sou coração teimoso

Saí a procura do teu amor…

Rio

Rio

 

Rio correndo pela mata

Levando as folhas para a cascata

 

Levando as águas sem se cansar

Despejando tudo no fundo do mar

 

Leva flor, pau, pedra, pescador a pescar

Tudo se vai para não mais voltar

 

Gigante, poderoso! Nada sente

Correr é trabalho. Ontem, hoje… sempre

Crepúsculo

Crepúsculo

 

Oh! Sol radiante

Teus raios brilhantes

A nos iluminar

Tu nos dá calor

Fortalece a flor

E acaricia o mar

Tudo vem de ti

Até o canto do bem-te-vi

Que enternece a terra

E, ao nascer da noite

Tu adormeces

Colorido

Por trás da serra

 

Oh! Sol querido

Sou agradecido

Por tanta graça

No cosmo, neste planeta

A vida completas

Enquanto o tempo passa

Um coração a pulsar

Um coração a pulsar

 

Fui ao céu

Às nuvens, à lua

Estrelas olhavam-se

Pareciam dizer o que sentiam…

São belas!

Senti amor

– mas não o meu amor –

Amor dos vales, das serras

Voltei à Terra

Avistei uma árvore

Em sua sombra

Descansavam três corações

Um pequenino

Outro tamanho normal

O terceiro já envelhecido

Todos de amor igual

Num coração a pulsar

 

Descansei…

 

Busquei amores

Fizemos um pacto

Um único coração,

Amores: quatro

– Amor da flores

– Amor da terra

– Amor do infinito

– Amor do mar

Então descobri

Que apesar de tudo que vi

Dos amores a  grandeza

Não se iguala à beleza

De um único coração a pulsar